terça-feira, 28 de abril de 2009

Debate: A Cabana.

No dia 27/04 aconteceu na IBAB o debate mais esperando do Fórum "Deus no banco dos réus", sobre o livro "A Cabana", com a presença de Ariovaldo Ramos, Ed René Kivitz e Ricardo Quadros Gouvêia.Segue para os leitores algumas ideias a respeito do livro do ponto de vista desses caras que são feras no assunto.

Ed René Kivitz inicia o debate pedido para que Ricardo e Ariovaldo fizessem suas considerações sobre o livro A Cabana.

Ricardo - Grande Best Seller, mas não significa um grande livro. Do ponto de vista literário é uma obra medíocre. Não será um Long Seller, muito menos um Clássico. William P. Young não é um homem das artes literárias, mas trouxe em seu livro histórias relacionadas a teologia, uma tentativa que deu origem a ideias muito interessantes. O grande valor do livro está em uma pergunta: "Que Deus?", que nos leva a outras perguntas: "Eu devo adorar a Deus?", se sim: "Qual Deus?" Se me mostrarem esse deus que pregam por aí (comércio da fé), digo que esse deus é o diabo, mas se mostrarem o Deus que por amor entregou Jesus e por seu sacrifício temos acesso ao Pai, esse sim eu adoro.
Cito Calvino: "O coração do homem é uma fábrica de ídolos."

Ariovaldo - Texto de ficção que não pode ser tratado como teologia. Em seu livro, William P. Young foi corajoso por chegar na questão: "Onde estava Deus quando eu estava sofrendo?", tenta falar de um problema complexo do qual a humanidade se identifica. Aborda o sofrimento, doutrina da trindade, perdão e a respeito daquilo que nos aproxima ou afasta de Deus. O autor não escreveu o livro com grandes pretensões, porém, uma das ideias do livro é: "Viver é sofrer, e todo o juízo de Deus passa pelo sofrimento."
As pessoas anseiam pelo Deus descrito no livro. E aos que apresentam Deus; tais como pastores, líderes e etc; talvez não o façam como deveria ser, de acordo com o vício religioso de adorar aquilo que temos medo ou pavor, porém, o autor mostra que pessoas podem adorar aquilo que amam e amam aquilo que adora.
Cito um amigo, Machado: "Teologia é uma arte e não uma ciência."

Ed René Kivitz pergunta: - Qual a resposta de William P. Young para o sofrimento?

Ricardo - O problema do sofrimento humano não tem solução. O evangelho não é como os outros (religiões), não tem por obrigação resolver o problema humano. O evangelho não é uma religião e sim o substituto, o contrário a religião. O autor mostra um Deus que sofre conosco, por nós e abraça a condição humana.
Por isso, quem somos nós diante de Deus para não sofrer? Devemos reconhecer que o sofrimento faz parte da humanidade.


Ariovaldo - No livro o autor entende que o sofrimento é consequência da maldade humana a partir da queda. O sofrimento humano levou Deus ao sofrimento. Deus sofre em Cristo. A independência é fruto da possibilidade do ser humano em decidir, e decidiram errado. No livro, quando Deus é questionado em relação ao que faria a respeito do sofrimento humano, a resposta é que Deus já fez através de Cristo na cruz. Os seres humanos atraíram o sofrimento.

Ed René Kivitz pergunta: - William P. Young apresenta um Deus frágil em relação ao homem e ao pecado. Como conciliar essa figura do Deus fraco com o que é pregado hoje nas igrejas?

Ed René Kivitz - Deus é amor e não exige nada, mas quer que retribuamos o seu amor. Deus é relacional.

Ricardo - No nosso tempo e cultura, a igreja repensa o que os evangelhos significam. O que é proposto é nosso relacionamento com Deus. * pag. 132 - 'Teologia Relacional'

Ariovaldo - Não acho que o Deus apresentado seja fraco. Ele não tem medo do que Mach está sentindo. A ideia é: "Fique tranquilo, não se preocupe, eu sei o que está acontecendo. Sei exatamente o que está acontecendo." É um Deus que ama profundamente, sabe o que está acontecendo e sabe também como será o desfecho da história. Deus intervêm na história, não se impõe, mas sabe como fazer para atrair.
*pag. 178 - 'Teodiceia do autor é evangelicamente conservadora'. Do livro "... o mal perdura por um tempo, mas não tem a palavra final..."

Ed René Kivitz pergunta: - E com relação a queda no Éden e a resposta de Deus na cruz?

Ariovaldo - No texto de William P. Young a solidariedade da raça está presente. O texto indica que Deus deu alguma possibilidade do ser humano dizer não a maldade, mas não a queda. Porém, se dizem ou não, isso não muda o fato de Deus amar.

Ricardo - O livro é bastante conservador. Fala da soberania divina e do pecado original, retrata a trindade. Estamos no século 21, na pós-modernidade, o pecado não é uma ideia ou um conceito teológico, e sim uma realidade. Ter fé em Deus não implica no abandono da insegurança. Corremos o risco de não nos indignarmos suficientemente com a maldade (na teologia conservadora).
*pag. 176 - 'A fé não cresce na casa da certeza'


Ed René Kivitz pergunta: - A questão então é que estamos no lugar errado na hora errada?

Ariovaldo - Viva comigo, ande comigo, e não precisará se preocupar com o que acontece. A questão é se vou me entregar a "Grande Tristeza" ou se vou continuar a confiar naquele com quem ando.

Considerações Finais.

Ricardo - No livro, acho errado o criminoso ter sido preso, não corresponde com a realidade. Não precisava açucarar a ideia. Se o livro quer trazer a visão cristã do mundo, deve trazer a visão caída. Devemos continuar andando com Deus, apesar do mal acontecer conosco.

Ariovaldo - O autor é de origem anglo-saxão e influenciado por sua cultura, faz no final tudo dar certo. O grande anseio da humanidade hoje, é o de ser amado, essa é a proposta do autor. Gosto do fato de atacar os paradigmas em relação a trindade. Na trindade existe a paternidade, maternidade e filiação.
*Jesus sabe que vai ressuscitar Lázaro, mas chora.

Ed René Kivitz - O mal tratado no livro é o mal que fazemos uns aos outros.

"Que diremos, pois, diante dessas coisas? Se Deus e por nós, quem será contra nós? Aquele que não poupou seu próprio Filho, mas o entregou por todos nós, como não nos dará juntamente com ele, e de graça todas as coisas? Quem fará acusação contra os escolhidos de Deus? É Deus quem os justifica. Quem os condenará? Foi Cristo Jesus que morreu; e mais, que ressuscitou e está à direita de Deus, e também intercede por nós. Quem nos separará do amor de Cristo? Será tribulação, ou angústia, ou perseguição, ou fome, ou nudez, ou perigo, ou espada? Como está escrito: "Por amor de ti enfrentamos a morte todos os dias; somos considerados como ovelhas destinadas ao matadouro" Mas, em todas estas coisas somos mais que vencedores, por meio daquele que nos amou. Pois estou convencido de que nem morte nem vida, nem anjos nem demônios, nem o presente nem o futuro, nem quaisquer poderes, nem altura nem profundidade, nem qualquer outra coisa na criação será capaz de nos separar do amor de Deus que está em Cristo Jesus, nosso Senhor." Romanos 8:31 a 39.

6 comentários:

Laguardia disse...

Amigos.
Não sou jornalista nem escrevo bem.
Sou aposentado, recebendo do INSS e tendo o IR descontado na fonte. Não recebo as benesses de nosso apedeuta mor que tem pensão do INSS acima do máximo, isento de Imposto de Renda por se achar perseguido político, ou melhor, por se anistiado político.
Luto com as armas que tenho que é um blog, como forma de desabafar ao ver tanta roubalheira, falta de ética, falta de honestidade e principalmente falta de vergonha na cara desta quadrilha que tomou de assalto o Palácio do Planalto.
Quero convidar os amigos a participarem da minha forma de protesto, o blog Brasil – Liberdade e Democracia - http://brasillivreedemocrata.blogspot.com/.
Se não levantarmos nossas vozes em protesto o que será deste país para nossos filhos e netos?
Agora é a hora de lutarmos por uma pátria livre democrática, e sobre todo com governantes honestos e éticos.

Nilton Medeiros disse...

Olá Rodrigo eu também estive na Ibab, assistindo ao debate, apesar de não ter lido o livro, os debatedores foram muito perspicazes em seus comentários, debateram com muita propriedade.

Flor da palavra disse...

Este livro me deixou com muitas dúvidas!!
Beijos

Tina disse...

Li o livro por indicação de uma pessoa que nem cristã é, mas o entusiamo que falou dele, me incentivou.
Nem sabia que tratava de Deus, trindade, etc...
portanto fui sem nenhum preconceito, ou aguardando algo.

Mas, no decorrer da leitura, alguns detalhes chamaram atenção, talvez por ser aquilo que no meu momento de fé, estava com dificuldades.

- Deus está do nosso lado, mesmo que não o vemos, e é o nosso PAI.

- O relacionamento entre a trindade, e da trindade com o personagem é pessoal, "personalizado".

- A simplicidade que nós devemos ter ao conversar (orar) com nosso Salvador, Redentor e intercedor.

também percebi alguns absurdos, mas lembro que trata-se de ficção.
Nunca indicaria o livro como forma de testemunhar, mas como livro de ficção, recomendo sim, destacando que a Bíblia é o nosso manual de vida. sempre.

Rodrigo Melo disse...

Laguardia!Obrigdo pela visita! Já estou seguindo seu blog! Seja bem-vindo sempre!

A Paz!

Caro Nilton.Esse debate deu o que falar, pelo menos pra mim! Achei muito interessante o ponto de vista dos três.
O livro em si é bem interessante o que aguça ainda mais essa curiosidade de saber como seria Deus e tal... Uma viagem, se não leu, leia, mas cuidado com os espinhos! rsrsrs

A Paz!

Olá Flor da Palavra!É verdade... o livro nos deixa muito intrigado com algumas coisas, mas devemos ler como uma ficção e deixar a teologia para a Bíblia!
Obrigado pela visita e por comentar! Espero você sempre por aqui!

Até.. A Paz!

Querida Tina!Começando com o que terminou... a Bíblia é o nosso manual de vida. Já o livro A Cabana...

Assim como você eu li o livro despretensiosamente... e confesso que me surpreendi, por exeplo, Deus como 'mulher, gorda e negra', o Espírito e Jesus com suas excentricidades nos dialogos.

O relacionamento de Mack com os três é de se estranhar, mas mostra o qual distante somos do nosso Pai. Nos tornamos impessoais com Deus!

Como sempre tenho dito, o livro deve ser lido sem que haja uma ânsia por assuntos teológicos... é uma ficção e basta. Nos faz refletir em nós, nos que fazemos, em que lugar colocamos Deus e também diz que Ele está no controle.

Obrigado por comentar e pela visita!

A Paz.

Débora disse...

Nunca havia lido um livro a respeito de relacionamento com Deus que tratasse do assunto de maneira tão leve e agradável! Independentemente das religiões, é um livro que nos faz refletir sobre o nosso relacionamento com Deus, o que considero o mais importante.
Não desmerecendo aqueles que participaram do debate, já que expuseram muito bem seus pontos de vista, mas em se tratando da reflexão a respeito de um relacionamento íntimo com Deus, não há nada a ser debatido, a não ser refletido.
Amei o livro, nao somente pela história mas pela reflexão que ele nos lança.
Não tenho religião. Leio a Bíblia, acredito na trindade e que a única forma de chegar ao Pai é estando com Jesus e que só ele deve ser adorado.
E o livro me ajudou a enxergar Deus de uma forma diferente do que ouço em algumas igrejas, um Deus distante e que nos julga o tempo todo.
Amei o livro e recomendo.

Abraços a todos

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...