terça-feira, 19 de maio de 2009

A arte de envelhecer.

Hoje, a caminho de casa me dei conta de que não estou preparado para envelhecer. Aliás, será que precisamos nos preparar para esse momento, o de ficar velho? E isso a princípio não tem nada a ver com morrer, embora muitos pensem assim!No caminho percebi que não há mais tempo a perder, porque esse mesmo tempo não nos dá trégua, ele continua. Pior que envelhecer, talvez seja a percepção da nossa inutilidade com relação ao tempo, porque ele não depende de nós para continuar sua contagem da qual nunca sabemos antecipadamente quando cessará (aqui sim, o morrer), isso mesmo, quando nascemos o tempo começa com sua contagem regressiva.

É estranho e ao mesmo tempo inevitável. O tempo é inevitável!

A maioria das pessoas (eu também) dizem que em sua adolescência não viam a hora de chegar aos 18 anos. Essa espera parecia uma eternidade, daí, quando completam, pronto, cada ano que passa fica cada vez mais rápido, é como se até os 18 anos acumulássemos combustível suficiente para que os próximos 30 ou 40 anos tudo acontecesse cada vez mais rápido, mais intenso. Percebeu né? Não sei explicar!

Chegamos aos 30 anos querendo voltar aos 18. Envelhecemos, e não há remédio para isso. E o que sei é que ainda não estou preparado para envelhecer! Você está?

Envelhecemos e com nossas escolhas caminhamos, muitas vezes sozinho, algumas acompanhado, mas sempre envelhecendo. É triste perceber que lá na frente muitos não estarão ao nosso lado e por isso penso não estar preparado para tão assustadora velhice.

Envelhecer é uma arte, é um caminho, é um cuidado... Viver é envelhecer. Viver com cuidado, no caminho é uma arte.

Pensar na velhice nos leva a Eclesiastes 9:5e6 "Pois os vivos sabem que morrerão, mas os mortos nada sabem; para eles não haverá mais recompensa, e já não se tem lembrança deles. Para eles o amor, o ódio e a inveja há muito desapareceram; nunca mais terão parte em nada do que acontece debaixo do sol."

Mais adiante o autor escreve nos versos 11e12:

"Percebi ainda outra coisa debaixo do sol:
Os velozes nem sempre vencem a corrida;
os fortes nem sempre triunfam na guerra;
os sábios nem sempre têm comida;
os prudentes nem sempre são ricos;
os instruídos nem sempre têm prestígio;
pois o tempo e o acaso afetam a todos.

Além do mais, ninguém sabe quando virá a sua hora: Assim como os peixes são apanhados numa rede fatal e os pássaros são pegos numa armadilha, também os homens são enredados pelos tempos de desgraça que caem inesperadamente sobre eles."

Talvez vencer na vida não seja o alvo, mesmo porque ser o mais veloz, o mais forte, o mais sábio, o mais prudente e o mais instruído não é garantia de nada...

Preciso descobrir a arte de envelhecer!

Nenhum comentário:

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...