terça-feira, 2 de junho de 2009

Sede de Justiça!

Justiça! Quantas vezes eu quis fazê-la com meus próprios punhos, quantos de vocês quis encurralar e dizer que seriam julgados por aquilo que eu achava certo. Via os actos, mas esquecia de limpar as lentes do meu óculos, para que desta forma pudesse enxergar o que realmente era.

Nós somos assim! Queremos a qualquer custo a justiça. Mas será que devemos cobrar justiça a qualquer preço? A verdade é que em algum momento a tal justiça não surtirá nenhum efeito naquilo que anteriormente era exigido dela. Não valerá de nada! Então para que serve essa sede de justiça que cativamos desde que nos conhecemos por gente?

Somos impelidos desde pequenos a revidar, a não deixar barato. Ouvimos dos nossos pais "Filho meu que apanha na rua e chega chorando, apanha novamente dentro de casa." Isso explica muito, mas não tudo.

Porque nos revolta tanto um assassino solto pelas ruas, mesmo depois de pagar pelos seus actos? Porque não damos confiança ao ladrão, mesmo depois de ter sido pego, enjaulado e ter cumprido sua pena? Porque não nos conformamos com um parente que anda na marginalidade, a ponto de desejamos que a morte o leve antes de sujar o nome da 'família'?

É fácil responder a essas perguntas. Você que está lendo já deve ter respondido em seus pensamentos. É automático pensar que não há perdão para quem mata para quem rouba para quem segue nos caminhos da marginalidade, parece que fomos programados para sentir repulso por pessoas que cometem esses e outros tantos delitos.

Sei que temos essa necessidade de lutar por justiça, e vamos até certo ponto com muito afinco. Porém, quando nos deparamos com uma situação que antes nos inflamava pela busca de justiça, mas que agora faz parte de nossas vidas e nos constrange, esse é o momento que nos esquecemos da 'justiça' e clamamos por 'misericórdia'.

Sabem por quê? Porque por mais que façamos "... Todos os nossos actos de justiça são como trapo imundo. Murchamos como folhas, e como o vento as nossas iniquidades nos levam para longe." Isaías 64:6e7

4 comentários:

Meire disse...

Ouvi esse final de semana no CMESP em uma palestra do Ariovaldo Ramos: "Olho por olho é justiça, pois meu olho só vale o olho do outro, mas nós queremos mais..."
Concordo com o Ariovaldo, nós temos a tendência de querer a justiça em dobro.

Ariovaldo Jr disse...

Fizemos uma campanha contra abuso sexual infantil junto a uma ONG que não tem nada a ver com igreja. Você tinha que ver a cara deles quando perceberam que queríamos salvar tanto as crianças quanto os que abusam delas. É inacreditável como nosso desejo de sangue fala alto. Chega a doer.

Danilo Fernandes disse...

Otimo artigo!

Danilo

Rodrigo Melo disse...

Oi Meire!!

Que bom que está por aqui novamente! Obrigado por comentar!

Ariovaldo Ramos é o cara quando o assunto é justiça! Suas mensagens são boas demais!

A Paz!

Blz Ariovaldo Jr?!

Gostei muito do seu blog (http://www.ariovaldo.com.br/)

Você tem toda a razão, sempre queremos justiça e nunca olhamos para os dois lados da moeda, pendemos sempre para o que é mais moral e esquecemos que Deus governa a todos, justos ou não!

Ah!! Desculpa aí por achar que vc era filho do Ariovaldo Ramos!! rsrsrs

A Paz!

Olá Danilo!

Obrigado pelo comentário! A propósito, seu blog tá bombando, hein?!... parabéns! Tem posts pertinentes ao meio gospel... dou muita risada com alguns e reflito pacas com outros!

A Paz!

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...